Seguidores

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Não



Outro ser que não eu
Outra rua que não a minha
Não me encontro neste vale roto, de gente com fome, vestida de revolta
que bebe a sede da ignorância não por necessidade mas por obrigação
Não aos pobres indigentes de fome porque só se é indigente de amor
Não à indigência na dor porque só se tem fome da cura
Não à indigência da tristeza porque só se tem pressa de um sorriso

Não somos solitários e inertes.
Somos vida em constante busca de raízes procurando florir.

6 comentários:

mfc disse...

Esta procura que referes de florirmos... é lindíssima!

Muitos beijinhos,

Leninha disse...

A pior fome é a fome de sentimentos e a pior indigência, a indigência de amor.

Belo poema!
Bjsssss,
Leninha

Silenciosamente ouvindo... disse...

Gostei do seu comentário no meu
blogue. Vim conhecer o seu e me
registei. Tenho que voltar com
mais tempo para ficar a conhecer
melhor seu blogue.
Bj.
Irene

✿ chica disse...

E tão lindo quando conseguimos florir... Adorei tu interação.Acabei de colocar no lugar! Obrigadão! beijos,chica

Esplendor da Criação disse...

Certos não sempre faz bem dizer, excluir de nossa vida para deixar a nossa luz brilhar e florir! Bjs. Ieda.

Anne Lieri disse...

Tulia,somos vida procurando florir!....que linda frase poética e porisso não podemos deixar de enxergar o que se passa á nossa volta!bjs e meu carinho,